Que tal seguir este blog?

quinta-feira, 15 de março de 2018

Painteando.art Ilustrações e cores

                                          Arte por Bela em Painteando.art (instagram)   

    E vamos falar de arte né! Recente eu tive o prazer de conhecer uma artista que me surpreendeu um monte… você acreditaria se eu te dissesse que a arte que ilustra essa postagem foi feita usando o Paint, sim! Isso mesmo, aquele programa que vem com quase todos os Windows da vida e que até foi decretado seu fim para versões mais atuais. Além do Paint, tem também uns rascunhos, cores e sentimentos. Talento e carisma e muita positividade permeia a arte de Bela. Espero que ela continue nesse processo para que possamos apreciar cada vez mais sua arte e sentidos.

   



Se você tem uma conta instagram é só seguir Painteando.art e ficar por dentro.

           É isso apoie os artistas independente!       

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Intervalos EP (David Beat)


 David Beat acaba de lançar mais um EP. O nome do EP se chama Intervalos e é composto de 5 musicas, sendo que uma delas é um cover de Nirvana, uma referência dos anos 90. É isso D.I.Y! 
         

domingo, 22 de outubro de 2017

"Transveres" um caso de amor com a MPB

A estréia de Victor Mozer é um caso de amor com a  MPB. "Transveres" tem  8 faixas com uma pegada nostálgicas e delicadeza sonora de se ouvir. Todas as faixas compostas e produzidas pelo próprio em casa. Um casamento perfeito de voz, violão e poesia. Vale dá aquela conferida. Minha faixa preferida  "Estação", só lindeza!         

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

A Volta da Rede da Carne (HQ)


 Tá rolando o projeto "A volta da Rede da Carne" HQ nacional. Abordando o tema de terror. Fans e aficionados que já estão há um bom tempo sem ler uma HQ de terror, vale muito a pena contribuir com o projeto e torná-lo realidade e ainda ter o seu nome nos créditos da HQ. Saiba mais acessando o link: "A Volta da Rede da Carne"       

sábado, 2 de setembro de 2017

David Beat - Agridoce (LP)


   Agridoce é o mais novo registro do ilustrador David Beat. Depois de dá um alô com seu Ep de estréia de nome “Experimental Pop”, o novo registro continua mantendo a mesma estética por assim dizer de músicas curtas ou quase inacabadas, apenas três faixas ultrapassam a marca de um minuto: John, Insensibilidade e Doçuras.

 O álbum é dividido entre o amargo e doce. Canções de existencialismo, sentimentos de amor, solidão, abandono e pensamentos de suicídio, vide faixa “Gatilho”: “…Eu só queria ter uma arma e apertar o gatilho duas vezes…”. E um toque sentimental nas faixas Insensibilidade e Doçuras: “…O encontro é forte / e a saudade vai ficar / quando você for embora, mas espero se você voltar”, trecho da música Doçuras.
  
  Segundo o Beat: “Fiz uma mixagem que funciona melhor com fones de ouvido, é a melhor forma de ouvir esses sons. Se você tentar ouvir isso através do alto falante do seu som, provavelmente muitas baixas frequências vão se perder no caminho, para uma melhor experiência use fones.”
  
  Confira o novo registro no davidbeat.bandcamp.com
Existe um Bônus (encarte com as letras) se você baixar o álbum. E para baixar basta clicar em “Buy now” e colocar “00000” na caixa de price.

          É isso, é D.I.Y                            

domingo, 27 de agosto de 2017

Som do Som resenhas e Álbuns para baixar.

                                                           Foto: print da net

  O site Som do Som, fez uma resenha do EP “Experimental Pop”. Primeiro registro de David Beat, no qual o ilustrador procurou experimentar com sonoridades. Colagens de sons, pianos desacelerados, chocalho improvisado com arroz, ruídos, músicas que não ultrapassam 1 minuto e “a forma que esses sons foram gravados, utilizei minha máquina de fotos portátil PL20 Samsung para captar o som ao invés de um mic.”
   
  O Som do Som deixou em seu site um catálogo com as resenhas dos álbuns para baixar. De uma conferida no link e descubra novos sons. D.I.Y!                  

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Bruno Consul EP Oranges


   Certamente você ainda não ouviu falar em Bruno Consul e não, ele não está na TV e nem em uma revista de massa. Filho do underground, navegando na praia lo-fi e mostrando que é possível sim, colocar a mão na massa e fazer acontecer.  
  
   Enquanto o projeto com sua banda Mild Vampire não dá as caras, Bruno num surto de criatividade se lança de cabeça para um mergulho certo na cultura DIY para mostrar 6 faixas de seu projeto solo.
  
  Criatividade e sensibilidade permeia toda as 6 faixas do “EP Oranges” que  acaba de sair do forno para plataforma digital Bandcamp. Todas as faixas composta por Bruno Consul em inglês, gravado em casa.
  
   O EP é bem curtinho, uma espécie de “Olá” para o que está por vir após. Um flerte com garage rock e Ty Segall. Dê o Play e deixe no repeat!   


                                                       DIY você também!

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Catzine #2


     Catzine #2 – Zine elaborado por FafáJaepelt, sim… isso mesmo! Esposa de Hery Jaepelt. Catzine como o próprio nome sugere é um zine que aborda os felinos como fonte de inspiração. O zine tá bem bonito com sua capa laranja florescente; ilustradores e quadrinhos com uma pegada própria. E de quebra nesse número veio um marcador de página personalizado. É esperar por mais surpresas no próximo!               

     Contato: 
     mariehpelt@gmail.com 
     Instagram - Fafapelts    

domingo, 11 de junho de 2017

Zine Tanto Coletivo #01

                                                             Foto por Lê Almeida

Tanto Coletivo – É um grupo dedicado aos estudos da colagem, em seus diversos e amplos modos. Formado em 2016, por João Casaes, Ludmila Zeger, Lê Almeida e Luiza Benazzi, o grupo ministra oficinas de colagem e desenvolve capas e pôsteres de disco para a Transfusão Noise Records.
  
  A jornada começou com o Grupo ministrando sua primeira oficina em Novembro de 2016 durante o evento “Transfusão Noise Festival” no Oi Futuro de Ipanema / RJ. Em Março de 2017, o Coletivo impulsionado com o primeiro passo, promove no Despina, galeria de Artes baseada no centro do Rio, mais uma oficina que foi dividida em 4 blocos com duração de 3 horas cada um deles. A cada um dos blocos foi apresentado o conceito de colagem, exercícios práticos e manuais, com os quais, cada participante de cada bloco pôde desenvolver sua própria colagem. Ao termino do curso ministrado, uma apresentação com as colagens produzidas foi para o mural da Galeria.

  Com as oficinas de colagens sendo ministrada, o grupo aproveitou os bons mares, e decidiu lançar o zine Tanto Coletivo. Abordando em seu conteúdo 5 Métodos, uma espécie de guia dos primeiros passos, para os aficionados ou interessados por colagens.
  
  Ontem (10/06/17) rolou o lançamento oficial do zine com banca pra venda e uma oficina aberta para quem quisesse se aventurar pelos caminhos das colagens. Em breve tem mais oficinas, é ficar ligado nos canais de comunicação e não marcar sopa fria.      
  
  O zine tá bem bonito com uma capa em risografia, 20 páginas P&B, formato 14x18,5 e miolo das páginas é costurado, completando como uma cereja o bolo.
     
      Acesse a página do TANTO COLETIVO
    
  O Zine ta saindo pelo preço módico de R$ 10,00 pilas que é pra roda continuar girando.
  
  Para adquirir um exemplar: tantocoletivo@gmail.com ou através da page Transfução Noise Records     
         
  É isso “broda e broders”! Apóie a cultura independente!  

domingo, 4 de junho de 2017

Jazz Para Rinocerontes (Poesia)



   Delírios, drogas psicotrópicas, alucinações imagéticas, perda da sanidade, mergulho no caos interior, metáforas, palavras nuas cheias de oculto. Jazz para Rinocerontes é um submergir profundo entre realidade e distopia. O autor dialoga com seu tempo, tecendo seus poemas de forma simbólica e por vezes indecifráveis jogos de palavras cheias de esquizofrenia, uma esquizofrenia poética/imagética para se fazer refletir, e ou serem lidas num domingo morto em forma de catarse: “O tempo leva meus fios de cabelos / E ainda são oito horas da manhã…”, (Erros nas Rachaduras). 

  O poeta vai lapidando suas palavras, cuspindo cada verso, deixando pequenas pistas e referenciais: William Burrough, Kafka, Amanda Feilding, Ginsberg.

  Todos os sentidos despertos: “Joguei todas as flores artificiais pela janela/ queria vida no vaso” em (Flores Artificiais).

   Paulo Monteiro nasceu em Manaus (onde continua a residir), é zineiro, poeta, músico e outras coisas mais que a vida o possibilitar.      

 Pra adquirir um exemplar: Editora Moinhos 
 para conhecer e dialogar com o autor: Paulo Monteiro 


        Apoie a cultura independente! D.I.Y!